quarta-feira, 17 de maio de 2017

Esta é a palavra que definirá a sua vida: CONFIANÇA

Quantas vezes você já quis aquele cara legal, ou aquele emprego incrível, ou até já quis abrir o próprio negócio, mas desistiu no meio do caminh? Quantas vezes já quis dar uma bela resposta, tirar foto sensuais ou viajar o mundo? Quantas vezes já quis ir pra balada e fazer tudo o que queria, ou fazer uma tatuagem, e vestir uma roupa sem se preocupar com o que os outros vão pensar?

Quantas vezes por dia você se reprime de algo que tem vontade? Você acha que não consegue ou que não merece aquilo? Sabe o que eu falo para os meus alunos quando eles pensam em desistir? Eu mostro a eles o ambiente de trabalho e pergunto: o que todas essas pessoas que estão aqui tem de diferentes de vocês? Por que vocês acham que não conseguem?

Quer inspiração? Que tal Madre Teresa, Rainha Elizabeth, Marilin Monroe, Meryl Streep, Oprah Winfrey, Viola Davis, Hipácia, Joana d’Arc, Maria Quitéria de Jesus, Marie Curie, Gisele Bündchen, Marta, Carmen Miranda e mais um zilhão de mulheres incríveis que de alguma forma, pararam de achar que não conseguiriam fazer algo e ssimplesmente foram?

Já imaginu se a Maud Wagner tivesse desistido? Ah, sabe quem é ela não? Pois da uma pesquisada e se inspire, na verdade, só prar um pouco e pensa naquela pessoa que você admira. Aposto que é alguém de atitude, que deseja e faz acontecer, que é uma pessoa de CONFIANÇA. 

O que te falta pra levantar essa bunda da cadeira e fazer alguma coisa? Seja uma princesa da Disney ou uma escritora famosa, uma cientista ou uma modelo. Seja quem for, pare de admirar uma dessas mulheres e seja uma delas. Seja a pessoa que se olha no espelho todo dia e gosta do que vê, e se não gosta, seja a pessoa que se levanta e  tenta mudar isso. 

E quando achar que não consegue, dá uma olhada nessas pilotas de caça  de 1945.


terça-feira, 16 de maio de 2017

Como você se vê daqui a 5 anos?

Pra ilustrar esse post, eu trouxe fotos do momento que mudou minha percepção de vida. Essas fotos foram tiradas no Hotel Globo, no Centro Histórico de João Pessoa.




Eu queria poder reproduzir toda a magnetude da vista, toda a tranquilidade que o sol descendo por trás do rio Paraíba transmite e principalmente, toda a satisfação que é, estar no melhor lugar do mundo, com amigos incríveis apreciando um momento só seu. 



Naquele momento e em mais outros tantos da minha vida, pude refletir um pouquinho sobre o tipo de pessoa que sou e o que eu realmente quero fazer da minha vida. Naquele momento eu estava realizando várias coisas que sempre quis fazer, e não falo apenas de viajar, falo de quebrar limites que eu mesma criei e de superar medos que sempre tive. Naquele momento eu pude perceber como exatamente eu quero estar daqui a 5 anos. Não vou falar disso por que as percepções de futuro são coisas muito pessoas e podem mudar a qualquer momento, mas pra mim, a partir dali, eu comecei a trabalhar para que daqui a 5 anos eu esteja exatamente onde eu quero.



Pela primeira vez eu consegui realmente traçar um caminho pelo qual posso seguir, sem me perder ou desviar e ainda assim me divertir e crescer pessoalmente e profissionalmente. Caso você tenha um momento como esse, não o perca, registre cada segundo, cada passo planejado e percorra os atalhos necessários, mas não deixe que a mesmice da vida cotidiana te impeça de alcançar esse desejo. Se eu lembro desse dia e de tudo o que mudou? Eu ainda sinto o cheiro do pé de manga que farfalhava com o vento por trás de mim. S2

 

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Compartilhando: Arquitetura de uma cidade perfeita

Maio foi o mês das minhas férias e aproveitei os dias livres pra visitar alguns amigos na minha cidade preferida. Sim, prefiro João Pessoa à minha cidade Natal. Há pouco mais de um ano fui lá a trabalho e me apaixonei. Fiz grandes amigos e me sinto em casa quando estou lá. Essa viagem, inclusive, foi de longe a melhor, graças à ela ganhei um irmão e tomei decisões importantes da minha vida.Mas o assunto hoje é principalmente a arquitetura da cidade. Em um dos primeiros dias, dei uma volta pelo centro histórico e simplesmente me apaixonei pela arquitetura dos prédios. Aproveitei o dia lindo e tirei fotos incríveis. Aproveita aí, e se algum dia puder, vá a João Pessoa. Vale a pena.


 




 
 

domingo, 14 de maio de 2017

Por que eu sumo às vezes

Vez ou outra eu apareço por aqui pedindo desculpa pelo sumiço e prometendo mil e uma postagens novas, dizendo que tô cheia de ideias e "que dessa vez" as coisas serão diferentes. Mas não posso me desculpar de algo que eu mesma chego a acreditar, não posso pedi desculpas por algo inevitável, que apesar de eu lutar bravamente, acaba voltando a acontecer.

2017 ainda não está na metade, mas eu já mudei tanto que não reconheço mais aquela garota de janeiro que não sabia se queria comemorar o aniversário, ou se isso seria uma ofensa à lembrança da mãe. Hoje eu sei que independente da minha escolha, eu estando feliz, deixaria minha 'veinha' satisfeita.

O assunto aqui é o quanto a gente consegue se iludir com promessas pessoas e ainda mais o quanto conseguimos deixar de dar valor à elas quando mudamos um pouco. Posso usar como exemplo as minhas roupas, que refletem muito da minha personalidade. Se me arrumo bastante, sai de perto que estou poderosa, se me visto de forma colorida, tô tentando parecer diferente, se me visto largada, estou dando mais importância à quem eu sou do que quem eu pareço, mas ainda é me vestindo de preto que me sinto melhor, o mais incrível é que quando escolho um estilo, todos os outros ficam tão longes de parecer eu, que tenho vontade de tacar fogo em tudo. 

Essas mudanças de aparência tendem a acompanhar as mudanças de personalidade, ou tentam, pra falar a verdade, afinal, é mais fácil você querer mudar a cor do cabelo do que realmente comprar a tinta e pintar. Mas Carla, aonde você quer chegar? Muito simples, pequeno gafanhoto, minha intenção é só dizer que quando eu sumir daqui, não é por que eu parei de gostar de escrever ou por que tô cansada E sim por que estou fazendo coisas mais urgentes, dando um tempo de mim ou tentando me conhecer melhor. Quem sabe até tendo uma das minhas 'pequenas crises', em que finalmente sei lidar melhor com elas. Leia esconder melhor.

Aos 25 eu sei menos o que quero, mas muito mais o que eu não quero, de verdade. E isso envolve me movimentar cada dia mais. E talvez nesses movimentos, eu esqueça um pouco que escrevo, que brinco de ser blogueira. Nessas horas no máximo me escondo em um instagram lotado de stories com música e gatos e um feed abandonado.


sexta-feira, 12 de maio de 2017

Fui embora mas fiquei lá

Domingo eu acordei cedo, apesar de ter ido dormir quase 3 da manhã, acordei às 05:30. Passei três horas vendo uma pessoa dormir e brincado com uma gatinha chamada July. Saí do quarto sem coragem, tomei um iogurte, me despedi de pessoas legais e entrei no primeiro carro do dia que me levaria pra longe dali. 

voltei pro apê do meu amigo, preparei minha mala de forma arrastada, tomei um banho demorado, me despedi da cadelinha do apê, vi meu amigo dormir enquanto pensava quão louco ele era por ter me recebido na casa dele e desejei novamente que ele fosse a pessoa mais feliz do mundo. 

Entrei no carro com minhas malas pesadas, agradeci mais uma vez ao universo por tudo o que eu pude aproveitar naqueles 5 dias, e me agarrei à certeza de que voltaria. No carro tocava músicas tristes e eu chorei com vontade, chorei por que não queria ir embora e principalmente por que estava sozinha. Eu podia chorar. No celular uma mensagem de outro amigo-"tô indo aí", mais choro, só que de felicidade. Eu só conseguia pensar comigo: "Eu tenho os melhores amigos do mundo". 

Perdi o ônibus, comi um feijão delicioso, vi dois homens jogar como duas crianças e me deitei enquanto esperava o tempo passar. Antes de ir, olhei demoradamente pro céu, brinquei com uns 8 gatos, me troquei e parti. Dessa vez não estava mais sozinha no carro. Apreciei o carinho de um casal apaixonado, um misto de inveja e orgulho, observei novamente uma pessoa que não parava de resmungar. No celular, várias mensagens daqueles "melhores amigos do mundo".

Sentamos enquanto esperávamos, conversamos, brincamos... Dei três abraços demorados e parti sem coragem de olhar pra trás. Fui embora mas fiquei lá. 



terça-feira, 9 de maio de 2017

6 on 6- Maio 2017

Quando decidimos o tema desse mês eu fiquei super empolgada, mas agora, depois de uma das melhores viagens da minha vida e de tantas fotos lindas e super coloridas, trazer pra vocês 6 fotos P&B foi dificil. Mas me segurei e trouxe fotos dos meus livros queridinhos do momento.








Nutro uma paixão pelos livros de André Vianco, os de vampiros principalmente, mas o meu preferido é O Senhor da Chuva, me arrepiava a cada parágrafo. Finalmente consegui comprá-lo em um sebo de João Pessoa. Além dos livros dele, eu trouxe um que comprei em uma feira de livros no shpping da minha cidade, o de Game of Thrones em inglês e outro recém adquirido do Harlan Cobe.

Já conhece o blog das meninas do projeto?

terça-feira, 25 de abril de 2017

Bate papo com a Carla de 2014

Há três anos, no dia 10 e janeiro de 2014 eu ecrevia uma carta para o meu EU do futuro. Na época eu postei aqui, mas acabei esquecendo e hoje encontrei esse texto em um dos meus cadernos. Resolvi fazer um bate papo com a Carla de 22 com a Carla de 25. Ficou um pouco grande, então não estranharei se você não quisesse ler. Mas se quiser, seja bem vindo.




Olá EU do futuro.
Olá Eu do passado.

Primeiramente uma simples pergunta: Como é ter 25 anos? Você já sabe o que quer da vida? Por que sendo bem sincera, as coisas não vão muito bem por aqui. Descobri que não gosto do curso que fiz e não tenho a mínima ideia do que quero fazer agora. Não estou habilitada, não comprei minha casa como eu planejava quando tinha 16 e nem achei o amor da minha vida, aliás, ele vem né?

Olha, ter 25 é praticamente igual a 22, só que com 3 anos a mais, às vezes já me sinto velha. Ainda não sei o que quero da vida, mas com certeza sei o que não quero, e isso definitivamente não inclui continuar do jeito que estou. Muita coisa mudou e se eu fosse comparar, ter 22 era bem melhor. Agora já estou habilitada e comprei um terreno, sabe, pra fazer o sítio que Mainha tanto queria, mas desisti dele e daqui a pouco você descobre o por que. Amor? Ih amiga, isso tá ficando pra depois, não sei se somos nós ou os outros, mas encontrar alguém? Tô achando mais fácil achar pepita de ouro no quintal.


Ah, lembra a lista enoooorme que eu tinha de coisas que eu queria fazer? Então, como anda ela? Aprendeu um novo idioma? Fez aquela tatuagem? Os amigos ainda são os mesmos? Tá tão difícil confiar no pessoal por aqui. Cada dia eu me sinto mais sozinha.  Cheguei a conclusão de que a maturidade me deixa doente.

A lista como sempre, mudou muito, algumas coisas tirei por que o tempo passou e achei bobagem, e não inclui mais por que não adianta criar lista e não cumpri-las, certo? Sobre o novo idioma? Só a linguagem das grandes empresas. Tatuagens você já tem duas e cada dia querendo mais. Amigos? Poucos, mas bons. Confiança sempre será peça rara, então nem se preocupe. E a maturidade? É uma droga.

Mas mudando de assunto, como estão os nossos pais? Brigar com eles faz eu me sentir com 8 anos de novo e não de um jeito legal.

Tá preparada? Mainha se foi. Nos deixou ano passado e levou com ela toda nossa alegria de viver, foi o meu primeiro grande baque. Sabe aquela tristeza profunda que tínhamos quando criança? Voltou. Nada mais faz sentido e muitos dias eu ainda deixo de dormir me perguntando por que estou aqui se o sentido da minha vida se foi em janeiro de 2016. Sabe? Nunca pensei que algo pudesse doer tanto, jamais imaginei que aquela certeza que eu tinha sobre o tempo. Sabe aquela de que ele curava tudo? Era mentira. Descobri que há dores que nem o tempo pode apagar e que é sim possível chorar uma noite inteirinha e preferir morrer a continuar sentindo aquilo. Poisé, esses pensamentos ainda estão por aqui, e ‘aquilo’ ainda tá guardado, nunca se sabe quando eles vão finalmente nos dominar. 

Pai continua distante. Vivendo no mundo dele e eu no meu, continua esquecendo dos nossos aniversários e de ligar no natal. Nada novo, só as velhas decepções de sempre. Eu devia ter aprendido aos 22, que não dá pra esperar novas atitudes de um macaco velho.

E nossos irmãos? Espero que não tenham mudado muito.

Olha, mudaram sim, e muito mesmo. Paula continua do mesmo jeito, pegando no seu pé, agindo como se fosse mainha e querendo impor uma autoridade que não existe, mas você continua querendo cuidar dela, mania sua de querer consertar o mundo. Já devia ter desistido sabia? Nunca deu jeito mesmo.
Uma parte boa dos 25? Carlinho acabou de te dar nosso maior desejo. Hoje temos um bebê fofinho de nome Victor pra um dia nos chamar de titia. Hoje, por enquanto você tem ainda um motivo pra continuar acordando todos os dias.

Espero também que você esteja arrebentando no violão, que tenha ficado mais decidida e que esteja aproveitando mais. Sei que 3 anos não é muito, mas com certeza eu não fiz muita coisa até os 22 e não quero que continue assim aos 25.

Violão é outra história, tua coordenação motora foi pro espaço e você continua usando isso como desculpa. O violão tá lá, dentro da caixa e em cima do guarda roupa, nem toca e nem vende. Mais decidida você ficou mesmo, sabe se impor muito melhor e as vezes tem até que dar uma freada nisso, mas se diverte muito mais e aos pouquinhos tá perdendo os medos.

E meus filhos, como estão? É claro que estou falando dos meus bebês de 4 patas. Espero que você não mude nada em relação a seu amor por eles senão eu apareço aí no futuro só pra chutar a sua bunda. Desculpe, não quis ser agressiva. Velhas manias, você sabe.

Se segura, aí vai o segundo baque. Nossa filha se foi. 2016 levou nossa mãe e nossa filha. Outra perda irreparável que a gente nunca vai superar. Os gatos ainda estão aqui, cada dia mais preguiçosos, mas cachorro a gente não quer mais, não consegue, dói ver foto, chora com vídeo e toda vez que se lembra daquele focinho peludo perto da gente, pensa que foi um erro continuar aqui sem ela. Como a gente aguenta? Pensa em Victor. É só por ele.

Ainda tenho aquela mania horrível de perder horas e horas planejando e imaginando o futuro e esquecendo de viver o presente?
Será que você está muito arrependida das escolhas que fiz? E as burradas? Deu pra consertar alguma? É, eu sei que foram muitas, mas faz parte da vida, certo?

Tem. Ô mania desgraçada. Mas estamos evoluindo, fazendo mais e prometendo menos, viajamos, saímos, namoramos mais, evoluímos, um passo de cada vez. Sobre as escolhas? Elas são inevitáveis e o erro nada mais é do que o resultado de uma escolha ruim, e como não podemos prever, o que podemos fazer é aprender com eles e evitar que se repitam. Olha só, maturidade não é de todo ruim né?

Vou partindo antes que me estenda muito. Desejar saúde e paz não adianta, nós duas sabemos que estas são “coisas de prática”. De resto, espero apenas que você saiba onde quer chegar, que tenha diminuído suas inquietações e que tenha se tornado mais confiante. Me disseram que isso é coisa de idade. Enfim, te vejo no futuro.

Olha, não sei nem onde e nem quando quero chegar, mas sei que a direção é pra frente, nada de se prender ao passado, por mais difícil que isso seja, e sempre focar no futuro. É com um passo de cada vez que conseguimos percorrer longas distâncias. Obrigado pelo passado e nos vemos de novo no futuro. 



quinta-feira, 20 de abril de 2017

Nove verdades e uma mentira

Eu gosto quando surge uma brincadeira nova por que dá pra comparar as opções das pessoas com as minhas. Surgiu essa brincadeira e resolvi fazer. É engraçado como depois que escrevi, percebi quão peculiar eu sou(pra não falar estranha mesmo, rsrs)Na brincadeira você escreve dez afirmações, sendo uma mentira e nove verdades. 

Será que descobrem qual a minha?

1- Quebrei meu braço em 3 lugares caindo de um caminhão;
2- Fugi de casa aos 4 anos;
3- Arranquei a cabeça de um dedo fechando uma porta nele;
4- Pulei de uma queda de 10 metros na água funda, sem saber nadar;
5- Eu adoro sapos, acho super fofinho;
6- As vezes eu espirro tanto que faço xixi na roupa;
7- Eu crio situações na minha cabeça, encorajo elas e quando acontecem, eu fico com raiva;
8- Eu demonstro afeto brigando com as pessoas, se eu ignoro ou faço pouco caso de alguém, é por que não gosto;
9- Eu queria morar num trailer;
10- Quase morri afogada na piscina de um clube.







segunda-feira, 10 de abril de 2017

Ser adulto siginifica ser responsável, e isso é uma droga

Quando se é criança e você briga com seu coleguinha, você pega uma bala, dá pra ele e 5 minutos depois vocês voltam a ser melhores amigos. Quando se é adulto e você briga com seu coleguinha, entra o rancor, o orgulho e aí em pouco tempo, um amigo vira um total desconhecido.
Quando se é criança a nossa preocupação é com chegar a tempo em casa a tempo de assistir desenho, ou se a quantidade de nescau é suficiente pra quantidade de leite. 

Ser adulto é superestimado, festas, bebida, sexo, "liberdade", nada disso vale a quantidade de responsabilidade que ser adulto acarreta. Adulto precisa trabalhar, acordar cedo e ainda precisa se preocupar com o sentimento alheio. Adulto não pode brincar, nem dormir muito, não pode ficar doente por que não vai ter ninguém pra cuidar, adulto precisa correr contra o tempo, cuidar da casa, construir família e garantir aposentadoria pro fim da vida. 

Mas sabe qual a parte mais assustadora em ser aduto e ter responsabilidades? É estragar tudo e não poder consertar com uma bala, e pior, não fazer a mínima ideia de como consertar.



domingo, 9 de abril de 2017

Dica: 5 curtas

Sou viciada em qualquer coisa que prenda minha atenção por um curto período. Daí surgiu uma grande paixão pelos curtas. Já sou apaixonada por animação, inclua uma história legal em poucos minutos e me veja perder o dia todo navegando no Youtube.
Vou tentar trazer esse tipo de coisa com mais frequência pra cá por que acho que o que é bom deve ser divulgado. Hoje trouxe 5 indicações.

 Um curta sobre o impacto que as escolhas trazem à nossa vida: Alike.



Esse é um comercial alemão sobre a origem do coelhinho da páscoa, não encontrei tradução pro título.



Um curta sobre o dia em que a porte se apaixonou.


Uma briga constante dentro do nosso cérebro entre Razão x Emoção.


Um dos meus preferidos, esse curta espanhol é sobre uma loja de brinquedos assustadora: Alma.


sábado, 8 de abril de 2017

Filmes: Logan e Power Rangers

Eu tentei não tocar nesse assunto aqui, mas cada dia fica mais difícil comentar algo nas redes sociais graças à sociedade cada vez mais doida em que vivemos. Comentar sobre política? Impossível. Futebol? Jamais Relacionamento? Cê tá louca né? Religiosidade? Quer ser apedrejada mesmo? Então resolvi usar esse espaço que é realmente meu e só meu pra expor um pouquinho minhas opiniões. O tema de hoje é..........Filmes. Eu precisava vir comentar depois de assistir 'Logan' e 'Power Rangers'. Se eu pudesse expressar minha reação a esses dois filmes, seria mais ou menos isso aqui:



Logan


O filme é bom, tipo muito bom, e não vem com mimimi de que 'não tá igual aos quadrinhos', por que se fosse pra fazer igual, era só ir ler o HQ seus preguiçosos. 
Pra mim foi um dos melhores filmes do estilo que já assisti até agora, por um único e simples motivo: eles conseguiram trazer um old Logan fiel sem ser meloso. Todo mundo sabia que o filme teria aquela emoção atrelada, por ser o último filme e blá blá blá, então eu confesso que fui ao cinema com aquele medo de trazerem um Logan meio cagão sabe? Um que iria ser todo meloso com a X-23 e que ia deixar todo mundo p da vida, mas não, trouxeram um Logan bruto, cansado pelo tempo, aparentemente doente e resistente como ele sempre foi, e no finalzinho trouxeram aquele amorzinho sutil que derreteu meu suposto coraçãozinho e quase me fez chorar....quase.

Power Rangers


Espera, deixa eu enxugar uma lágrima aqui. Pronto,agora vai. O que falar desse filmes dos personagens que me acompanharam a vida inteira e me fizeram ter minhas primeiras paixões por personagens fictícios e desejar ter poderes, e desejar não ser uma pessoa comum, e desejar ter um zord que se transforma em megazord....nossa, eu teria tanta coisa pra falar...

Pra mim a história ficou legal, trouxe uma coisa "real". A armadura ficou muito boa, a vilã conseguiu ser old mas com uma pegada mais atual, os zords ficaram muito massa e o megazord me fez ter tremiliques. Amei o Goldar, amei a representação da Rita Repulsa, amei os trajes, a 'arma", até o sotaque, por que sinceramente, se usassem aquela representação antiga, ia parecer que os power rangers estariam lutando com uma bruxa de filme infantil. Mas o melhor de tudo foram as atuações, cada personagem casou tão bem que parecia que eles realmente eram power rangers. 

Minhas impressões foram, 4 sub power rangers muito fodas e um power ranger vermelho-rei-da-cocada-preta-mas-que-pra-mim-é-o-mais-chato. O que dizer se o filme era exatamente o que eu queria? Podia ter sido melhor? Pra mim não. Trouxeram o mesmo sentimento de menina que carreguei por muitos anos, um final com uma nostalgia sutil com o Tommy e a Kimberly, um Megazord incrível e a melhor cena de todas:  os zords saindod e uma cortina de poeria e correndo em direção ao Goldar ao som de "go,go, power rangers...". 



Veja como fui legal em esperar um tempo considerável antes de vir aqui destilar spoilers. ^^

6 on 6- Abril 2017







Eu sei que está trasado, mas ficar sem computador e ainda perder todas as suas fotos complica um pouquinho, rsrs. O tema de Abril é simples: Outono! E pra mim, nada reflete melhor o outono do que muitas folhas com tons terrosos e esverdeados, aliando isso à um céu maravilhoso e pronto: fotos lindas que vou usar pro resto da vida como papel de parede.

Cada foto acima representa um lugar que amo muito, minha vista preferida, meu canto preferido na natureza, a vista do pôr do sol do meu trabalho, o nascer do sol na praia e cada céu que eu guardei com muito carinho.

É engraçado ver todo mundo louco na correria mas sem deixar de participar do projeto, já conheceu o espaço das outras meninas?



quarta-feira, 1 de março de 2017

Carta a todos que já passaram pela minha vida

Escrevo esse texto com os olhos cheios de lágrimas, assim como chorei várias vezes com cada um de vocês. Mas pessoas tão especiais merecem palavras à altura, e é por vocês que escrevo.

Há 25 anos eu iniciava uma jornada, e que jornada! Em cada esquina uma nova descoberta: pessoas, lugares, sabores, sensações e emoções que nem o melhor poeta poderia descrever com exatidão.
Por diversas vezes eu guardei minha dor no bolso e fui, prometendo a mim mesma que faria o meu melhor. Hoje eu percebo que essas decisões me trouxeram exatamente no ponto onde eu estou hoje, e apesar de muito grata e feliz, quem sou eu para dizer que fazendo assim e assado não seria melhor, eu com minha visão limitada restrita a apenas um caminho, que foi esse mesmo que escolhi. Quem sou eu para dizer que quem sabe na esquina do amor lá do começo do meu ensino médio, eu não errei quando optei por parar por ali por não amar tanto assim, quem sabe se na insistência, eu não tivesse descoberto que é possível aprender a amar com a convivência.

Falar que foi fácil eu não posso, mas esses passos curtos e longos que dei me ensinaram que é possível ser bom e justo, que é possível se amar e se odiar tantas vezes quanto é possível mudar de cor preferida, e que menos é mais e que acima de tudo, as pessoas que passam pelas nossas vidas nem sempre são as que ficam.

Nunca fui de dizer “eu te amo”. Nem pra família, nem pra amigos, nem pra namorado, nunca fui de abrir a boca e demonstrar sentimento, apesar de gostar de dar e receber muito carinho. Mas hoje eu posso dizer tranquila que amo cada um de vocês... Cada um com sua particularidade, com sua diferença. Cada um que ainda mexe comigo, que me ensina a me amar quando me ignora, que me ensina a controlar quando me faz raiva e que me ensina a insistir quando vale a pena.

Todos os dias, direta ou indiretamente, eu recebo pelo menos uma mensagem de agradecimento, mas talvez vocês nem imaginam que quem deve agradecer sou eu. Agradecer pelas alegrias, pelas lágrimas, pelas raivas, pelas conversas, pelos passeios, ou seja, por cada um dos momentos que passamos juntos, por cada uma das histórias que agora compartilhamos.

Para alguns de vocês eu já dei tchau, mas sabe eu ou você o que os caminhos da vida nos reserva, quem sabe em qual esquina podemos ainda nos encontrar, por que eu sei que muitos desses nossos casos de amor ainda não acabou não viu. Me aguarde que eu volto, e se eu não voltar, foi bom ter te conhecido.



terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

6 on 6- Fevreiro 2017

Eu sei, eu sei, atrasei o 6 on 6 de Fevereiro e não vou me aprofundar na justificativa, mas só pra deixar claro, começou com um monitor queimado e terminou com a perda de acesso ao blog. 

Janeiro foi um mês difícil, mas eu não desisti e aqui está. Antes tarde do que nunca, né non! \õ/ 








Carnaval, fevereiro, calor, volta às aulas... O que combina mais com essa época do que momentos/situações bem coloridas? Pensando nisso resolvi postar coisas que amo com o nosso tema do mês: CORES.  

1. Presente que ganhei de um ex-aluno: Meu primeiro quadrinho.

2. Cartão de aniversário que ganhei de um amigo agora em Janeiro.

3. Melhor comida gelada do mundo: Açaí!

4. Minha estante atual de livros.

5. Reunião de Natal: Nesse dia eu estava passando por uma barra, e brincar com essas 
miniaturas fez meu dia um pouco melhor.

6. Coleção de almofadas da minha prima. Minha vontade é carregar todas pra mim!


Lembrando que o projeto são 6 blogs, aqui está o link dos outros, delicie-se.


terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Desafie-se ao menos uma vez por mês

Todo mundo tem medo. Seja do escuro, de ficar sozinho, de altura, mas todo mundo tem alguma coisa que incomoda, que assusta, que afasta de outras coisas. Eu particularmente tenho medo de me afogar. Esse medo se dá por que eu quase morri afogada aos 7 anos de idade em um clube aqui da minha cidade, sem falar que acho morte por afogamento algo desesperador.

É óbvio que tenho outros medos, mas esse em particular me assusta bastante por que eu AMO água. Aceito qualquer convite pra lugares com água(exceto se eu tiver que usar biquíni)  e já cheguei a passar 6 horas dentro d'água. Sempre em um lugar raso é claro.

Essa semana eu ignorei o medo e matei minha vontade de pular na cascata de uma cidade aqui vizinha, e olha, a sensação é ótima!!!

video



sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

A geração do desapego vai destruir as relações

Começo a imaginar que a maioria das minhas amigas sofre de algum mal de amor. Leia aqui ciúme /falta de amor próprio/carência. O que me preocupa é se um dia chegarei a esse ponto.

Esse assunto de novo Carla? É minha pequena curuminha, infelizmente nós estamos vivendo em uma era de cada vez menos amor. Em que 'ganha' quem demonstrar menos, se apegar menos, querer menos e curtir mais(eu não me excluo dessa, ok?).

Mas voltando ao assunto, qual o problema em retribuir? Eu tô perguntando isso por que tenho um certo 'casal' de amigos que vez ou outra se pegam, ou seja, se encontram, passam momentos legais juntos, mas quando estão perto dos outros agem como completos desconhecidos. Não que isso seja errado, até por que se estiver bom para ambas as partes, vale a pena manter tudo como está. Mas se em vez dessas relações curtas e esporádicas, os dois não estejam interessados em algo concreto, mais firme? Eu não diria nem um namoro, mas simplesmente um fica, sabe daqueles antigos? De sair pro cinema, de ser ver de vez em quando, de visitar um ao outro sem hora programada, mas nada explícito também, nada de alterar status no facebook, compartilhar fotos juntas ou postar mil e uma mensagens de amor.

Eu falo de curtir alguns momentos a dois, e não de fingir que esse 'caso' não existe, ou que não rola há vários meses, e daí se ele é infantil às vezes? Ou ela é um pouco mandona? Será que ninguém percebeu que tá dando certo? Será que ninguém percebeu que os dois se completam dentro de suas imperfeições e que na verdade, ela ser mandona pra um cara infatil é a combinação perfeita?

Pra vocês meus amigos-descolados-demais-pra-assumir-que-se-gostam, meu 'só lamento', por que apesar de ser da geração de menos grude por favor, ainda prezo um bom momento a dois, e eu posso até não saber muito, mas creio que vocês estão perdendo tempo demais.


quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Vamos falar sobre amor próprio nos relacionamentos?

Não gosto muito de me expor. Não gravo vídeos por vergonha e estou no processo pra me acostumar a tirar fotos. Mas no momento em que vi uma amiga sofrendo por causa de um cara, eu precisava falar. Gravei vários audios no stories do insta e recebi muitos feedbacks positivos.

Ontem uma amiga veio se abrir comigo sobre a situação dela e me pedir ajuda.

Imagine que você gosta muito de uma pessoa, vocÊ passa meses tentando se aproximar dessa pessoa, quando finalmente  conhece, descobre que a pessoa é incrível. Inteligente, divertida, além de usar um perfume maravilhoso. Parece familiar? Pois bem, os dias passam e é tudo perfeito. Os passeios são incríveis, o beijo é perfeito e a companhia dele parece ser a única coisa que importa no mundo. Os dias passam e está tudo perfeito, até que você o vê sentado no shopping com uma outra garota(pode ler garoto, vale para qualquer caso). Não é estranho ele estar no shopping no horário de trabalho?




Você manda uma mensagem pra ele, e ele diz que está em reunião. Você fica em dúvida entre ficar com raiva pela mentira ou não fazer nada, afinal ele está apenas conversando. Então por que mentir?

No dia seguinte você vai ao shopping no mesmo horário, mas ele não está lá. A resposta da mensagem dele: 'Estou em reunião, te ligo depois'. E aí tudo começa: Ele está mesmo em reunião ou apenas encontrou outro lugar pra conversar com ela. Será que é a mesma ou já é outra?

As dúvidas continuam e o tempo passa, pouco a pouco você começar a perceber coisas, cada vez mais mensagens e menos carinho, cada vez mais reuniões/horas extras/trabalhos da faculdade/________________. Você pode inserir qualquer item aqui, qualquer coisa que não seja VOCÊ.

Mas mesmo assim você continua com ele/ela. Você continua sendo carinhosa, prestativa, continua sendo a pessoa mais maravilhosa do mundo...pra ele. Mesmo seus amigos dizendo que você esta cada dia mais sumida, seu cabelo tá bagunçado e você já não liga tanto pras suas roupas, afinal ele gosta de você assim mesmo, ou será que ele nem percebeu a mudança? De que importa, o perfume dele é tão bom né? Ou era, já que ele mudou de cheiro há uns dois meses e você nem percebeu.

Mas você continua com ele. Daqui a pouco ele volta a ser pessoa que você conheceu. Não é?

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Como se manter focado no trabalho

Você tem um  relatório pra entregar, um estoque pra consultar, um fornecedor pra visitar, mas tudo o que você consegue pensar é 'nossa, que cor de parede linda'. E aí? Vai me dizer que esses pequenos momentos de distração nunca aconteceram com você? Eu era exatamente esse tipo de pessoa, me distraia com barulhos comuns, cores, insetos, até o arrastar de pés me tirava a tenção, mas aí eu comecei a me policiar e após anos de prática, eu consigo dizer exatamente o que me ajudou.

giphy

Estabeleça prazos

Pegue as atividades que você realiza com mais frequência e calcule quanto tempo você demora para conclui-la. Agora toda vez que você for fazer alguma delas, marque o horário previsto para terminar, assim se passar esse tempo e você não tiver finalizado, você saberá que está enrolando.

Elimine as distrações

Isso vale pra tv ligada, para as mensagens de celular, as redes sociais que teimamos em deixar abertos. Desligue a tv, se possível, desligue o celular, se não puder, coloque no silencioso, e feche todas as redes sociais, todas: Facebook, Instagram, Snap...

Utilize a técnica Pomodoro

Quê? Você ainda não conhece? A técnica Pomodoro consiste em distribuir o tempo em blocos. Pode parecer difícil, mas funciona muito bem. Normalmente programo o despertador do celular pra me ajudar nessa etapa. Gosto de dividir o tempo em 30 minutos com pausas de 5 minutos para tarefas longas, e tempos de 10 minutos com pausa de 3 minutos para tarefas super chatas ou rápidas de serem concluídas.

Faça pausas

Essa dica já está no item acima, mas mesmo que você não utilize a técnica, fazer pausas sempre pode ajudar na hora de querer desistir de algo. A pausa é aquele momento de respirar um pouco e voltar com tudo pro trabalho. A pausa ajuda o seu cérebro descansar e colocar as ideias em ordem. Use esse tempo pra beber agua, comer algo, se espreguiçar ou até olhar pro céu.

Faça anotações

Desde a hora que acordo até a hora que vou dormir, eu anoto minhas tarefas, ideias, compromissos, reuniões. Tenho um pequeno bloquinho só pra isso. As listas além de organizar as ideias, promove aquela sensação maravilhosa de riscar um item que já foi adiado.

E mais importante, Relaxe

Todos temos metas, temos trabalhos legais e trabalhos super chatos. O principal é que você não se sobrecarregue, e se alguma dessas técnicas não funcionar, não se prenda e tente outra.
Nos dias mais difíceis, utilize os momentos de pausa e ouça as musicas que você mais gosta.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Metas pra 2017

Demorei um pouco pra escrever esse post por que custei a acreditar que as minhas metas fossem realmente estas. Desde que comecei a implementar na minha vida um determinado sistema de organização, ficou mais fácil estabelecer o que é prioridade. Só pra vocês terem ideia, uma das regras chave é: Se não fará sentido daqui a 5 anos, não faz sentido perder tempo com isso agora. E é justamente usando essa metodologia de "onde eu gostaria de estar daqui a 5 anos' que eu consegui definir meu planos pra esse ano.

Minhas metas foram estabelecidas com base em alguns quesitos: Ser algo que eu quero e que eu preciso me ajudou muito, e principalmente, precisam me trazer tranquilidade espiritual e financeira. É incrível como cada item da lista se complementa de alguma forma ajudando a criar a realidade que eu quero.

Caso alguém queira saber mais das minhas metas ou sobre meu sistema de organização, é só falar comigo. Espero que gostem!



1. Registrar a loja- Não falo só em CNPJ, falo em divulgar realmente e transformar a loja em um meio de sustento. Pra quem não sabe, eu tenho uma loja de roupas, é a Dona Fofa Modas. Ainda está no começo e eu ainda estou aprendendo a empreender, mas esse sempre foi meu sonho de carreira, fiz faculdade pra isso e finalmente estou colocando em prática. No momento prefiro dar passos curtos e ir absorvendo cada momento antes de expandir o negócio.

2. Perder peso- Não tenho problemas em ser gordinha, mas o peso extra está comprometendo minha saúde, e como estou chegando na idade em que a tendência é ficar cada dia mais difícil, iniciei em 2017 um programa pessoal de reeducação alimentar. Felizmente está funcionando e em uma semana já vejo resultado(pequeno, mas está lá), o que seria bem maior se eu estivesse aliando a alimentação com atividade física, mas, uma coisa de cada vez.

3. Profissionalizar o blog- Amo escrever e me sinto muito bem quando recebo algum retorno do que posto aqui. Esse ano pretendo investir mais em parcerias e divulgação do blog pra quem sabe colocar em prática um grande projeto em 2018.

4. Terminar um dos meus livros- Tenho um sério problema com começar algo e não terminar. Tenho cerca de 4 livros iniciados que nunca termino. Mesmo que eu não publique em alguma editora, quero começar a postar aqui no blog e me inspirar pra terminar as minhas obras.

5. Iniciar a construção da minha casa- Pago um terreno desde 2014. A ideia inicial era ser um espaço pra realizar todas os desejos da minha mãe(muitos bichos, roseiral, horta...), quando ela faleceu, pensei em me desfazer do terreno e até cheguei a anunciar em alguns grupos de vendas, mas agora decidi construir. Devagar, primeiro o muro, depois um deck, quem sabe uma piscina...

6. Viajar pra um lugar que nunca fui- Depois da oportunidade de passar um mês em João Pessoa, decidi investir mais em viagens. O tempo lá, mesmo que a trabalho, me fez muito bem e pretendo repetir a experiência em outro lugar. 

Todo ano eu escrevia 10 metas, era de lei. Mas há algum tempo percebi que os grandes desejos da minha adolescência, eu já realizei. Isso fez com que minhas metas fossem reduzidas a itens mais pé no chão e voltadas mais pro futuro. Não sei se conseguirei realizar todos, até por que alguns envolvem muito tempo e dinheiro, e ainda passo muito do meu tempo dedicada ao meu trabalho atual. 

Mas isso são metas e eu tenho 12 meses pela frente pra realizá-las. O jeito é focar no trabalho e organizar todo o meu tempo pra conseguir abranger tudo. E aí, gostaram? Mais alguém tem metas pra 2017?

sábado, 7 de janeiro de 2017

Wishlist de Aniversário - 2017

Próxima semana é meu aniversário e eu resolvi fazer uma lista de desejos sobre o que eu adoraria ganhar. Eu sempre fiz voltada pra livros, mas esse ano resolvi mudar um pouquinho.





1 e 6. Tô tentando ser mais sociável e sair mais, e isso inclui pacote completo, cabelo arrumadinho e maquiagem leve pra parecer saudável. Tenho quase tudo de maquiagem, mas ainda me falta uma paleta de sombras e kit de pincéis. A paleta que quero é desse jeito, com cores terrosas e sem brilho.

2. Prometi que a lista não seria só de livros, mas pelo menos um eu tinha que colocar. O escolhido é o meu livro preferido de André Vianco.

3. Todo mundo na vibe de tênis branco e eu só quero um pretinho pra chamar de meu.

4. Quero muito um carregador portátil, coloquei o de unicórnio por que achei bonitinho, mas não tenho preferência. Só quero mexer À vontade no celular mesmo quando não tenho tomada por perto.

5. Faz tempo que quero um fone de ouvido, só tenho daqueles que vem com celular, preciso de um externo por que passo muito tempo assistindo séries com o fone.

7. Eu gosto muito de ler, mas detesto me preparar pra dormir e ter que me levantar pra apagar a luz, a luminária seria uma ótima pedida.

Fiz uma lista curtinha por que coloquei realmente só o que quero muito(exceto se fossem livros, que eu poderia fazer uma lista infinita, vide aqui e aqui), mas no geral, é isso.

Resumo de leitura de 2016


Aproveitando que hoje é o dia do leitor, criei coragem pra mostrar pra vocês minhas leituras de 2016, mas aí eu descobri que o SKOOB faz isso sozinho, rsrs.

Eu havia me proposto ler 50 livros. Era uma meta muito alta pra mim, levando em conta que eu mal estava conseguindo ler 12 livros por ano, devido à falta de tempo e shame on me, falta de interesse também.
Comecei o ano empolgada, mas por volta de Maio eu parei drasticamente, e aí só fui voltar ao final de outubro. Isso explica alguns livros 'ruins' na minha lista de leitura, que infelizmente estavam ali só pra que eu batesse a meta. Mas no fim eu não só alcancei a meta, como ultrapassei um livro dela e deixei 2 bem encaminhados, que inclusive já estão na lista de lidos de 2017.

Como eu não marco os livros que pretendo ler como meta de leitura, no skoob, está como se a minha meta fosse os 51, mas é por que eu sei que as vezes eu marco um livro que quero ler, mas na real só vou lê-lo muito tempo depois, então não programei nada, apenas registrava as leituras quando elas acabavam.





Entre os meus poucos amigos do SKOOB, eu fiquei em primeiro lugar nas leituras(A plataforma considera páginas e não livros pra mensurar). Em parte fico feliz pela colocação no ranking, mas ao mesmo tempo fico triste considerando a quantidade de amigos que tenho na plataforma (Que são poucos, o que não significa que a minha colocação foi boa e ainda representa minha tristeza em ter quase nenhum amigo pra comentar sobre livros).



Aqui embaixo é uma montagem de todos os livros que li no ano. Queria muito ter feito resenha de todos, mas foi impossível. O que me deixa triste por que certos livros me deixaram realmente encantada.


Minha proposta pra 2017 são 52 livros(só isso Carla? rsrs). Resolvi colocar uma meta normal e alcançável, considerando a do ano anterior, por que não quero correr o risco de parar e não conseguir batê-la. Minha experiência com 2016 me mostrou que mesmo com um grande hiatus, se eu me esforçar, eu alcanço a meta de boa.

O legal dos 52 livros é poder ler um por semana. Assim eu não corro e ainda consigo pegar leituras mais longas, como a série Game of Thrones que está há muito tempo na minha estante.

Caso você seja um leitor como eu e tem cadastro na plataforma, me adiciona lá e vamos ser amigos de estante!