terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Desafie-se ao menos uma vez por mês

Todo mundo tem medo. Seja do escuro, de ficar sozinho, de altura, mas todo mundo tem alguma coisa que incomoda, que assusta, que afasta de outras coisas. Eu particularmente tenho medo de me afogar. Esse medo se dá por que eu quase morri afogada aos 7 anos de idade em um clube aqui da minha cidade, sem falar que acho morte por afogamento algo desesperador.

É óbvio que tenho outros medos, mas esse em particular me assusta bastante por que eu AMO água. Aceito qualquer convite pra lugares com água(exceto se eu tiver que usar biquíni)  e já cheguei a passar 6 horas dentro d'água. Sempre em um lugar raso é claro.

Essa semana eu ignorei o medo e matei minha vontade de pular na cascata de uma cidade aqui vizinha, e olha, a sensação é ótima!!!

video



sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

A geração do desapego vai destruir as relações

Começo a imaginar que a maioria das minhas amigas sofre de algum mal de amor. Leia aqui ciúme /falta de amor próprio/carência. O que me preocupa é se um dia chegarei a esse ponto.

Esse assunto de novo Carla? É minha pequena curuminha, infelizmente nós estamos vivendo em uma era de cada vez menos amor. Em que 'ganha' quem demonstrar menos, se apegar menos, querer menos e curtir mais(eu não me excluo dessa, ok?).

Mas voltando ao assunto, qual o problema em retribuir? Eu tô perguntando isso por que tenho um certo 'casal' de amigos que vez ou outra se pegam, ou seja, se encontram, passam momentos legais juntos, mas quando estão perto dos outros agem como completos desconhecidos. Não que isso seja errado, até por que se estiver bom para ambas as partes, vale a pena manter tudo como está. Mas se em vez dessas relações curtas e esporádicas, os dois não estejam interessados em algo concreto, mais firme? Eu não diria nem um namoro, mas simplesmente um fica, sabe daqueles antigos? De sair pro cinema, de ser ver de vez em quando, de visitar um ao outro sem hora programada, mas nada explícito também, nada de alterar status no facebook, compartilhar fotos juntas ou postar mil e uma mensagens de amor.

Eu falo de curtir alguns momentos a dois, e não de fingir que esse 'caso' não existe, ou que não rola há vários meses, e daí se ele é infantil às vezes? Ou ela é um pouco mandona? Será que ninguém percebeu que tá dando certo? Será que ninguém percebeu que os dois se completam dentro de suas imperfeições e que na verdade, ela ser mandona pra um cara infatil é a combinação perfeita?

Pra vocês meus amigos-descolados-demais-pra-assumir-que-se-gostam, meu 'só lamento', por que apesar de ser da geração de menos grude por favor, ainda prezo um bom momento a dois, e eu posso até não saber muito, mas creio que vocês estão perdendo tempo demais.


quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Vamos falar sobre amor próprio nos relacionamentos?

Não gosto muito de me expor. Não gravo vídeos por vergonha e estou no processo pra me acostumar a tirar fotos. Mas no momento em que vi uma amiga sofrendo por causa de um cara, eu precisava falar. Gravei vários audios no stories do insta e recebi muitos feedbacks positivos.

Ontem uma amiga veio se abrir comigo sobre a situação dela e me pedir ajuda.

Imagine que você gosta muito de uma pessoa, vocÊ passa meses tentando se aproximar dessa pessoa, quando finalmente  conhece, descobre que a pessoa é incrível. Inteligente, divertida, além de usar um perfume maravilhoso. Parece familiar? Pois bem, os dias passam e é tudo perfeito. Os passeios são incríveis, o beijo é perfeito e a companhia dele parece ser a única coisa que importa no mundo. Os dias passam e está tudo perfeito, até que você o vê sentado no shopping com uma outra garota(pode ler garoto, vale para qualquer caso). Não é estranho ele estar no shopping no horário de trabalho?




Você manda uma mensagem pra ele, e ele diz que está em reunião. Você fica em dúvida entre ficar com raiva pela mentira ou não fazer nada, afinal ele está apenas conversando. Então por que mentir?

No dia seguinte você vai ao shopping no mesmo horário, mas ele não está lá. A resposta da mensagem dele: 'Estou em reunião, te ligo depois'. E aí tudo começa: Ele está mesmo em reunião ou apenas encontrou outro lugar pra conversar com ela. Será que é a mesma ou já é outra?

As dúvidas continuam e o tempo passa, pouco a pouco você começar a perceber coisas, cada vez mais mensagens e menos carinho, cada vez mais reuniões/horas extras/trabalhos da faculdade/________________. Você pode inserir qualquer item aqui, qualquer coisa que não seja VOCÊ.

Mas mesmo assim você continua com ele/ela. Você continua sendo carinhosa, prestativa, continua sendo a pessoa mais maravilhosa do mundo...pra ele. Mesmo seus amigos dizendo que você esta cada dia mais sumida, seu cabelo tá bagunçado e você já não liga tanto pras suas roupas, afinal ele gosta de você assim mesmo, ou será que ele nem percebeu a mudança? De que importa, o perfume dele é tão bom né? Ou era, já que ele mudou de cheiro há uns dois meses e você nem percebeu.

Mas você continua com ele. Daqui a pouco ele volta a ser pessoa que você conheceu. Não é?

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Como se manter focado no trabalho

Você tem um  relatório pra entregar, um estoque pra consultar, um fornecedor pra visitar, mas tudo o que você consegue pensar é 'nossa, que cor de parede linda'. E aí? Vai me dizer que esses pequenos momentos de distração nunca aconteceram com você? Eu era exatamente esse tipo de pessoa, me distraia com barulhos comuns, cores, insetos, até o arrastar de pés me tirava a tenção, mas aí eu comecei a me policiar e após anos de prática, eu consigo dizer exatamente o que me ajudou.

giphy

Estabeleça prazos

Pegue as atividades que você realiza com mais frequência e calcule quanto tempo você demora para conclui-la. Agora toda vez que você for fazer alguma delas, marque o horário previsto para terminar, assim se passar esse tempo e você não tiver finalizado, você saberá que está enrolando.

Elimine as distrações

Isso vale pra tv ligada, para as mensagens de celular, as redes sociais que teimamos em deixar abertos. Desligue a tv, se possível, desligue o celular, se não puder, coloque no silencioso, e feche todas as redes sociais, todas: Facebook, Instagram, Snap...

Utilize a técnica Pomodoro

Quê? Você ainda não conhece? A técnica Pomodoro consiste em distribuir o tempo em blocos. Pode parecer difícil, mas funciona muito bem. Normalmente programo o despertador do celular pra me ajudar nessa etapa. Gosto de dividir o tempo em 30 minutos com pausas de 5 minutos para tarefas longas, e tempos de 10 minutos com pausa de 3 minutos para tarefas super chatas ou rápidas de serem concluídas.

Faça pausas

Essa dica já está no item acima, mas mesmo que você não utilize a técnica, fazer pausas sempre pode ajudar na hora de querer desistir de algo. A pausa é aquele momento de respirar um pouco e voltar com tudo pro trabalho. A pausa ajuda o seu cérebro descansar e colocar as ideias em ordem. Use esse tempo pra beber agua, comer algo, se espreguiçar ou até olhar pro céu.

Faça anotações

Desde a hora que acordo até a hora que vou dormir, eu anoto minhas tarefas, ideias, compromissos, reuniões. Tenho um pequeno bloquinho só pra isso. As listas além de organizar as ideias, promove aquela sensação maravilhosa de riscar um item que já foi adiado.

E mais importante, Relaxe

Todos temos metas, temos trabalhos legais e trabalhos super chatos. O principal é que você não se sobrecarregue, e se alguma dessas técnicas não funcionar, não se prenda e tente outra.
Nos dias mais difíceis, utilize os momentos de pausa e ouça as musicas que você mais gosta.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Metas pra 2017

Demorei um pouco pra escrever esse post por que custei a acreditar que as minhas metas fossem realmente estas. Desde que comecei a implementar na minha vida um determinado sistema de organização, ficou mais fácil estabelecer o que é prioridade. Só pra vocês terem ideia, uma das regras chave é: Se não fará sentido daqui a 5 anos, não faz sentido perder tempo com isso agora. E é justamente usando essa metodologia de "onde eu gostaria de estar daqui a 5 anos' que eu consegui definir meu planos pra esse ano.

Minhas metas foram estabelecidas com base em alguns quesitos: Ser algo que eu quero e que eu preciso me ajudou muito, e principalmente, precisam me trazer tranquilidade espiritual e financeira. É incrível como cada item da lista se complementa de alguma forma ajudando a criar a realidade que eu quero.

Caso alguém queira saber mais das minhas metas ou sobre meu sistema de organização, é só falar comigo. Espero que gostem!



1. Registrar a loja- Não falo só em CNPJ, falo em divulgar realmente e transformar a loja em um meio de sustento. Pra quem não sabe, eu tenho uma loja de roupas, é a Dona Fofa Modas. Ainda está no começo e eu ainda estou aprendendo a empreender, mas esse sempre foi meu sonho de carreira, fiz faculdade pra isso e finalmente estou colocando em prática. No momento prefiro dar passos curtos e ir absorvendo cada momento antes de expandir o negócio.

2. Perder peso- Não tenho problemas em ser gordinha, mas o peso extra está comprometendo minha saúde, e como estou chegando na idade em que a tendência é ficar cada dia mais difícil, iniciei em 2017 um programa pessoal de reeducação alimentar. Felizmente está funcionando e em uma semana já vejo resultado(pequeno, mas está lá), o que seria bem maior se eu estivesse aliando a alimentação com atividade física, mas, uma coisa de cada vez.

3. Profissionalizar o blog- Amo escrever e me sinto muito bem quando recebo algum retorno do que posto aqui. Esse ano pretendo investir mais em parcerias e divulgação do blog pra quem sabe colocar em prática um grande projeto em 2018.

4. Terminar um dos meus livros- Tenho um sério problema com começar algo e não terminar. Tenho cerca de 4 livros iniciados que nunca termino. Mesmo que eu não publique em alguma editora, quero começar a postar aqui no blog e me inspirar pra terminar as minhas obras.

5. Iniciar a construção da minha casa- Pago um terreno desde 2014. A ideia inicial era ser um espaço pra realizar todas os desejos da minha mãe(muitos bichos, roseiral, horta...), quando ela faleceu, pensei em me desfazer do terreno e até cheguei a anunciar em alguns grupos de vendas, mas agora decidi construir. Devagar, primeiro o muro, depois um deck, quem sabe uma piscina...

6. Viajar pra um lugar que nunca fui- Depois da oportunidade de passar um mês em João Pessoa, decidi investir mais em viagens. O tempo lá, mesmo que a trabalho, me fez muito bem e pretendo repetir a experiência em outro lugar. 

Todo ano eu escrevia 10 metas, era de lei. Mas há algum tempo percebi que os grandes desejos da minha adolescência, eu já realizei. Isso fez com que minhas metas fossem reduzidas a itens mais pé no chão e voltadas mais pro futuro. Não sei se conseguirei realizar todos, até por que alguns envolvem muito tempo e dinheiro, e ainda passo muito do meu tempo dedicada ao meu trabalho atual. 

Mas isso são metas e eu tenho 12 meses pela frente pra realizá-las. O jeito é focar no trabalho e organizar todo o meu tempo pra conseguir abranger tudo. E aí, gostaram? Mais alguém tem metas pra 2017?

sábado, 7 de janeiro de 2017

Wishlist de Aniversário - 2017

Próxima semana é meu aniversário e eu resolvi fazer uma lista de desejos sobre o que eu adoraria ganhar. Eu sempre fiz voltada pra livros, mas esse ano resolvi mudar um pouquinho.





1 e 6. Tô tentando ser mais sociável e sair mais, e isso inclui pacote completo, cabelo arrumadinho e maquiagem leve pra parecer saudável. Tenho quase tudo de maquiagem, mas ainda me falta uma paleta de sombras e kit de pincéis. A paleta que quero é desse jeito, com cores terrosas e sem brilho.

2. Prometi que a lista não seria só de livros, mas pelo menos um eu tinha que colocar. O escolhido é o meu livro preferido de André Vianco.

3. Todo mundo na vibe de tênis branco e eu só quero um pretinho pra chamar de meu.

4. Quero muito um carregador portátil, coloquei o de unicórnio por que achei bonitinho, mas não tenho preferência. Só quero mexer À vontade no celular mesmo quando não tenho tomada por perto.

5. Faz tempo que quero um fone de ouvido, só tenho daqueles que vem com celular, preciso de um externo por que passo muito tempo assistindo séries com o fone.

7. Eu gosto muito de ler, mas detesto me preparar pra dormir e ter que me levantar pra apagar a luz, a luminária seria uma ótima pedida.

Fiz uma lista curtinha por que coloquei realmente só o que quero muito(exceto se fossem livros, que eu poderia fazer uma lista infinita, vide aqui e aqui), mas no geral, é isso.

Resumo de leitura de 2016


Aproveitando que hoje é o dia do leitor, criei coragem pra mostrar pra vocês minhas leituras de 2016, mas aí eu descobri que o SKOOB faz isso sozinho, rsrs.

Eu havia me proposto ler 50 livros. Era uma meta muito alta pra mim, levando em conta que eu mal estava conseguindo ler 12 livros por ano, devido à falta de tempo e shame on me, falta de interesse também.
Comecei o ano empolgada, mas por volta de Maio eu parei drasticamente, e aí só fui voltar ao final de outubro. Isso explica alguns livros 'ruins' na minha lista de leitura, que infelizmente estavam ali só pra que eu batesse a meta. Mas no fim eu não só alcancei a meta, como ultrapassei um livro dela e deixei 2 bem encaminhados, que inclusive já estão na lista de lidos de 2017.

Como eu não marco os livros que pretendo ler como meta de leitura, no skoob, está como se a minha meta fosse os 51, mas é por que eu sei que as vezes eu marco um livro que quero ler, mas na real só vou lê-lo muito tempo depois, então não programei nada, apenas registrava as leituras quando elas acabavam.





Entre os meus poucos amigos do SKOOB, eu fiquei em primeiro lugar nas leituras(A plataforma considera páginas e não livros pra mensurar). Em parte fico feliz pela colocação no ranking, mas ao mesmo tempo fico triste considerando a quantidade de amigos que tenho na plataforma (Que são poucos, o que não significa que a minha colocação foi boa e ainda representa minha tristeza em ter quase nenhum amigo pra comentar sobre livros).



Aqui embaixo é uma montagem de todos os livros que li no ano. Queria muito ter feito resenha de todos, mas foi impossível. O que me deixa triste por que certos livros me deixaram realmente encantada.


Minha proposta pra 2017 são 52 livros(só isso Carla? rsrs). Resolvi colocar uma meta normal e alcançável, considerando a do ano anterior, por que não quero correr o risco de parar e não conseguir batê-la. Minha experiência com 2016 me mostrou que mesmo com um grande hiatus, se eu me esforçar, eu alcanço a meta de boa.

O legal dos 52 livros é poder ler um por semana. Assim eu não corro e ainda consigo pegar leituras mais longas, como a série Game of Thrones que está há muito tempo na minha estante.

Caso você seja um leitor como eu e tem cadastro na plataforma, me adiciona lá e vamos ser amigos de estante!


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

6 on 6- Janeiro 2017

Já tentei fazer 6 on 6 aqui no blog mas não tinha conseguido. Esse ano me propus a fazer nos 12 meses com a ajuda de um grupo, adivinha? De seis blogueiras, rsrs. 

O 6 on 6 é um projeto que consiste em postar 6 fotos em todo dia 06 de cada mês. O legal é que dá pra deixar um tema livre ou especificar, como um mês apenas pra leituras, outro pra comidas, outro só com uma paleta de cores, etc. 

O meu primeiro 6 on 6 diz muito sobre o que eu gosto, mas confesso que foi bem difícil escolher quais fotos iriam pra primeira lista. 















Descrição das fotos: 

1. Esse foi o meu presente de amigo secreto com algumas pessoas da empresa em que trabalho. André Vianco é o meu autor brasileiro preferido mas eu não tinha nenhum livro dele. 

2. Essa vista linda é da parte externa da empresa que trabalho. Janeiro tem me proporcionado grandes momentos de contemplação da natureza!

3. Sempre piro um pouquinho nas Americanas por que não consigo decidir qual livro comprar. Prometi que só posso comprar um  livro novo esse ano quando eu ler um dos que já tenho na minha estante. Será que resisto?

4. Sabe aquilo de contemplação da natureza? Então...

5. Lá no meu trabalho, sempre fazem uma competição entre as equipes pra quem deixar o seu espaço mais bonito. Impossível não se apaixonar por uma lareira tão linda. 

6. No final de fevreiro pra começo de março, eu ganho meu primeiro sobrinho. Essa foi a primeira roupinha que comprei pra ele.

Espero que tenham gostado, e próximo mês tem mais!



terça-feira, 3 de janeiro de 2017

A falta que minha filha me faz

Eu havia prometido escrever mais, tipo todos os dias. Talvez eu ainda não tenha aprendido que na minha vida eu não controle nada, e por isso eu ainda faça promessas que eu normalmente não consigo cumprir.

Eu prometi escrever por que eu me sinto bem fazendo isso, eu gosto de me sentar na frente do computador e escrever tudo o que me dá vontade. Mas infelizmente eu não consegui cumprir minha promessa. Eu cheguei a dezembro achando que a morte da minha mãe seria a coisa mais dolorosa que eu ia sentir, achando que tudo de ruim já havia passado, e que eu poderia olhar pra trás e dizer que pesar de tudo, 2016 foi um ano de experiências. Mas a verdade é que 2016 começou muito ruim e terminou muito pior.

Dia 21 de dezembro eu viajei com a esperança de estar colocando pra frente um sonho antigo, mas quando voltei pra casa, encontrei minha filha doente. Por favor, se você não nutre nenhum amor ou ao menos um apego por bichos, pare a leitura agora mesmo. Eu vou descartar qualquer sentimento como "quanta bobagem", "tudo isso por uma cadela", e mais inúmeras frases que pessoas que jamais entenderão o que eu estou sentido falariam.

No dia 23 de dezembro eu a levei as pressas a clinica que me diziam ser a melhor da cidade. Ela precisava de uma cirurgia, eu não tinha dinheiro, mas duas amigas em socorreram e minha filha foi operada. Passar uma noite sem ela era desesperador, mas era preciso. No sábado (24/12), eu fui buscá-la na clínica. Não pretendo mencionar todas as irresponsabilidades da mesma, mas minha filha estava em casa. Ela estava debilitada pela cirurgia e tinha dificuldades pra caminhar, comia raras vezes, mas segundo a veterinária, era tudo normal.
No dia 30/12 eu levei minha filha às pressas de volta à clinica, na data ela não comia e nem bebia nada e vomitava um liquido amarronzado. Minha filha foi deixada no soro e medicação, mas no dia 31, às 10:15h eu recebi uma ligação da minha irmã dizendo que minha filha havia falecido.

Pra resumir às 2 horas seguintes enquanto eu estava sozinha em uma sala no meu trabalho, intercalei entre chorar, apagar na cadeira e alguns momentos de total apatia antes de conseguir avisar à um amigo para chamar a enfermeira.
Depois disso eu estou tentando me acostumar com a ideia de nunca mais acordar e ver minha bebê encostada nos meus pés, de nunca mais poder me deitar, abraçar ela e beijá-la ainda no chão. Nunca mais verei seu rabinho balançando quando chego em casa. Eu nunca mais vou ver as coisas que eu via nos últimos treze anos.

Ela se foi, mas eu ainda ouço as unhas dela batendo no chão quando andava na cerâmica, eu ainda ouço ela rosnar quando um dos gatos tenta roubar a comida do prato dela, e toda vez que eu me levanto do pc , eu ainda olho pro chão pra saber se ela tá perto demais da cadeira a ponto de eu machuca-la. E aí quando eu percebo que ela nunca mais estará nos meus pés, eu choro desesperadamente. E eu simplesmente não consigo me acostumar com a ausência dela.

Esse não é um texto bonitinho com fotos e expressões de felicidade, é apenas 'eu' tentando justificar minha ausência. Em breve, voltarei à programação normal.